4. mar, 2015

O Feng Shui visto por outro ângulo

Quando eu falo sobre meu trabalho, como consultora em Feng Shui, é muito comum algumas pessoas dizerem: “Eu não acredito nisso”. Desta forma, eu decidi que esta semana falaríamos um pouco sobre o Feng Shui visto por outro ângulo ou de uma forma mais racional.

O Feng Shui tem um lado místico muito forte, afinal ele influencia a energia do ambiente que habitamos ou trabalhamos. Eu vivenciei isso quando apliquei a técnica pela primeira vez em minha casa, foi algo tão poderoso que naquele momento nasceu minha paixão por essa ciência milenar. Há um fato que marcou esse momento e que eu e meu marido gostamos de lembrar.

A Consultora, entre tantas mudanças, sugeriu substituirmos um ramo de flores secas por um lírio da paz. As flores estavam em uma mesinha na área de amigos e viagens, identificada por ela a partir da aplicação do baguá1 na planta baixa do apartamento. Fizemos isso um fim de semana antes do feriado de Carnaval, na época, há mais ou menos cinco anos, recebíamos poucas visitas em casa, mas aquele feriado foi diferente, alguns amigos e uma irmã, que nunca nos visitava, de repente começaram a aparecer, ligar e na quarta-feira de cinzas estávamos tão cansados por tantas visitas que ríamos e dizíamos que o lírio da paz iria voar pela janela, o que “traria nossa paz de volta”. Claro que não voaria, pois estávamos felizes, afinal tivemos um feriado maravilhoso, rodeados de pessoas queridas e pudemos desfrutar do prazer de recebê-las, conversar, rir e compartilhar. Pudemos também constatar o quanto as mudanças proporcionadas pelo Feng Shui estavam influenciando nossas vidas de forma positiva e nos sentíamos mais dispostos, animados e unidos para agir nas outras áreas.

Mas voltando ao que nos interessa minha proposta hoje é mostrar que o Feng Shui não precisa ser encarado como algo do outro mundo, místico ou mágico. Gustavo Cerbasi, em minha opinião um mestre da economia, em seu livro Casais Inteligentes Enriquecem Juntos afirma que a crise dos sete anos existe no casamento, então decidi compartilhar um trecho do livro para analisarmos a influência que o ambiente ao nosso redor tem em nossas vidas.

..."A crise dos sete anos é inevitável", afirmam muitos casais.

Senti um grande alívio quando um casal de amigos com vários anos de casamento muito feliz nos explicou, a mim e à Adriana, de forma bem-humorada, os motivos para a ocorrência da crise. Segundo eles, ao longo do tempo muitos dos detalhes charmosos do lar do casal se desfazem.

No começo, tudo é novo e reluzente: enxoval, faqueiro lustroso, copos de cristal para servir as visitas, todos os eletrodomésticos em perfeito funcionamento.

Depois de cerca de sete anos de uso, muitos jogos de copos já estão incompletos, os talheres opacos, o enxoval com aparência de usado. Muitos eletrodomésticos deixaram de funcionar, e a rotina do casal passa a incluir a visita de técnicos que cobram os olhos da cara por serviços malfeitos. Muitas lâmpadas da casa se queimam, e os insistentes pedidos para que o "maridão" as troque soam como implicância. As paredes precisam de pintura, mas dá para continuar vivendo assim. As portas rangem, os ralos estão entupidos, o filtro de água está com defeito, enfim, um sem-número de problemas transformam o outrora "ninho de amor" em um cafofo caindo aos pedaços.

Por volta dos sete anos, parece que o charme e o romantismo acabaram, mas a grande verdade é que foi o dinheiro que encurtou. O bom é que a crise dos sete anos pode ser evitada. Não é grande trabalho, mas envolve alguma disciplina, mais uma vez com os olhos no futuro. O casal deve incluir em seu orçamento recursos para formar uma poupança destinada a "renovar a casa" de tempos em tempos. Alguns optam por renovar tudo de uma vez após sete ou oito anos de casamento. Ótimo! É como casar de novo, renovar sonhos, curtir a emoção de ter novidades na vida. O caminho a ser evitado é justamente o da acomodação. Não existe o "estamos bem assim". A vida depende de renovação!”

O que mais eu preciso dizer? O que os chineses atribuem o nome de Feng Shui, nós podemos simplificar e chamar de renovação, e ainda aproveitando toda sabedoria chinesa para renovar e usufruir de um ambiente que nos traga paz, alegria, conforto, equilíbrio, beneficiando nossa saúde, nossas relações e atraindo a prosperidade para nossas vidas. Por que não?

Outra autora que gosto de citar é a Stela Vecchi, em seu livro Feng Shui Lógico ela ressalta:

“As técnicas desenvolvidas pelos chineses são de tal quilates que seria um desperdício não utilizá-las por preconceito. Estaríamos perdendo informações muito úteis na forma de aproveitar e decorar nossos ambientes.”

Ela também afirma que: “...a aplicação da técnica chinesa exige que usemos o raciocínio e lógica, e muito bom senso, sem o que cairia em fanatismo e superstição.

Visto sob esse prisma, a decoração de interiores e exteriores assume uma importância razoável na conquista e manutenção do bem-estar psíquico e consequentemente, físico”.

O bom senso, que a autora menciona, é outra questão muito importante dentro desse universo, pois a grande preocupação do cliente é se o olhar crítico de um consultor irá obriga-lo a realizar mudanças, aplicar cores, usar objetos e plantas, ou seja, fazer coisas que ele não queira. Quando na realidade o objetivo e responsabilidade da consultoria é aproveitar o que o espaço tem de melhor, atrair o que a natureza tem de melhor, corrigir imperfeições, entender a necessidade, o gosto e as preferências do cliente para então aplicar as técnicas do Feng Shui de forma correta e beneficiar as pessoas que habitam ou trabalham naquele local.

Então, mesmo que você não seja místico ou supersticioso, mas já se sentiu mal em algum ambiente e não soube dizer o motivo, não deixe de experimentar, como eu sempre digo: “Só podemos dizer se algo é bom ou ruim quando nos damos a oportunidade de provar”.

Seja Feliz!

Cristiane Mazará

1Baguá: utilizado como uma das técnicas do Feng Shui para estudar e mapear as Energias dos Ambientes. O Baguá tem a forma octogonal, no qual cada lado ou “guá” representa os principais aspectos ou energias e áreas da nossa vida.

Fonte:

- Feng Shui Lógico: integração dinâmica entre equilíbrio pessoal e ambiental – Stela Vecchi – Ícone Editora

- Casais Inteligentes Enriquecem Juntos – Gustavo Cerbasi – Editora Gente